(c) 2008-2011 avesdeportugal.info -Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Aves dos Açores
Vinagreira   
Erithacus rubecula
Outros nomes vulgares: Papinho, Santantoninho, Paipalo, Paipolo, Xincherica; Pisco-de-peito-ruivo (Cont.)


Muitos são os nomes com que diferentes localidades dos Açores baptizaram este passeriforme. A proximidade do seu habitat
com o homem e o seu aspecto pequeno, aprumado e de cores contrastantes, fazem desta ave uma das mais familiares das
populações açorianas.
Pensa-se que a colonização do arquipélago por esta espécie é relativamente recente, dado tratar-se do único passeriforme da
avifauna natural que não tem estatuto taxonómico de subespécie endémica e não ocorre nas ilhas mais distantes do continente
europeu (Flores e Corvo).
Identificação
É a cor alaranjada da sua garganta, faces  e peito que melhor a distinguem. Esta cor viva contrasta com a restante coloração
pardacenta, reflectida na sua parte superior pelo tom castanho-esverdeado, o abdómen branco e as partes laterais do peito
apresente, regra geral, um comportamento discreto, é observado frequentemente no solo em busca de alimento, e empoleira-se
no topo de ramos, muros e locais altos, para exibir o seu canto melodioso.

Abundância e calendário
Residente. É uma espécie abundante, contudo face ao seu forte comportamento territorial não são observadas grandes
concentrações de indivíduos, sendo a maioria das observações de um ou dois indivíduos (casal). Durante a época de nidificação
são de observação mais fácil, por a sua localização no campo ser denunciada pelo canto do macho. Ocorrem numa elevada
diversidade de habitats, desde zonas florestais (natural ou exótica), a campos agrícolas, pastagens, quintais, jardins e
parques-urbanos.

Onde observar
Em todas as ilhas dos Açores com excepção de Flores e Corvo, desde o nível do Mar até zonas de montanha, com excepção das
zonas mais altas da montanha do Pico. Ocorre  tanto em pastagens como em zonas florestais, contudo mostram uma tendência
por habitats mistos, de zonas abertas com vegetação lenhosa, onde utilizam os solos para se alimentar e as árvores e arbustos
como poleiros de canto.
Pela variedade de habitats que ocupam são de fácil observação em todas as ilhas.